kamagra kaufen kamagra oral jelly kamagra australia kamagra australia cialis kopen levitra 20 mg viagra online bestellen cialis preise cialis original viagra bestellen levitra bayer kamagra shop kamagra oral jelly viagra generika levitra preis kamagra bestellen cialis 20mg cialis bestellen levitra pas cher kamagra prix acheter viagra viagra sans ordonnance cialis pas cher achat viagra kamagra 100 viagra prix kamagra pas cher kamagra 100 mg cialis sans ordonnance levitra sans ordonnance
Viagra Super Active Viagra Generisk Cialis Gel Generisk Levitra cialis pris Kamagra Gel Viagra Soft kamagra oral jelly cialis generisk viagra online viagra online Generisk Viagra Cialis Online Kvinnor Cialis Generisk Cialis Kvinnor Viagra Cialis Super Active Cialis soft viagra apoteket Kamagra Cialis Soft Viagra sverige Kamagra Online
Acquistare Cialis Strips Viagra Pastiglie Kamagra 100 Cialis online Levitra Generico Test pacchetti Propecia generico Acquistare Cialis Soft Tabs Viagra e generici Levitra Cialis Generico Lovegra Super Kamagra Viagra femminile LIDA Dai dai hua Cialis Pastiglie Acquistare Super Kamagra Cialis Generico Viagra online

O que é feito da outrora Hollywood?

A vida de artista não é fácil. Toda a gente o sabe. Vamos do cinema e teatro, à música, à dança e até mesmo ao artista do futebol e percebe-se que só a “crème de lá crème” recebe cacau que se veja.

Recuemos década e meia atrás.  A música já estava num formato digital em forma de CD e já se ripava música deste formato para o PC. Em 1999 Sean Parker colocou o Napster a fazer a partilha de ficheiros digitais, maioritariamente música e colocou os artistas de cabelo em pé. Os que ainda não o tinham. O Napster é obrigado a fechar em 2001 mas a caixa de Pandora tinha sido aberta e havia pouco a fazer. O P2P tinha chegado para ficar. Nesse mesmo ano é lançado o primeiro iPod e estava completa a primeira revolução na indústria da distribuição musical. Ao artista não bastava agora lançar um bom disco, ter um marketing eficiente e de quando em vez ir fazer uns concertos a Londres ou Nova York. Ganharam os locais mais recônditos onde a partir daí começaram a chegar concertos de todo o tipo. Já nesta década, o negócio volta a sofrer nova reviravolta com os serviços de streaming mas o “mal” já tinha sido criado com o .mp3 já lá muito atrás.

Voltemo-nos para o vídeo. Em 2005 nasce o YouTube. A largura de banda era ainda parca mas estava a chegar a quinta geração do iPod que já trazia a possibilidade de armazenar e ler vídeo. Adquirido pela Google em 2006 o YouTube não fez pela indústria cinematográfica o que o Napster fez com a música mas já só esperava pela largura de banda. Era uma questão de tempo. Tempo esse que se encarregou de fazer passar as grandes estrelas de Hollywood do grande para o pequeno ecrã. A criação de conteúdos por serviços de streaming como o Netflix, Hulu, Amazon e outros levou-nos ao atual frenesim de séries e temporadas.

À estrela de Hollywood já não basta ser figura de cartaz no blockbuster. Isso está reservado á tal “crème de lá crème”.

Agora o que começa a ser transversal a todos os artistas, sejam eles músicos, atores ou celebridades é passar o seu persona para uma aplicação mobile e, ultimamente para um jogo. E o mesmo se passa com os filmes e as séries. Se o Schwarzenegger está no Mobile Strike e os zombies do Walking Dead são anunciados no intervalo da série, um frenesim maior foi o lançamento dos Emojis da Kim Kardashian. Podendo classifica-la apenas com celebridade não a impediu de afirmar na sua conta do Twitter que o lançamento dos emojis com o seu rabo, a cinta de treino ou a barriga de grávida rebentaram com a App Store, tal o fluxo de gente interessada em comprar os seus bonecos por 2 dólares. Isto depois de em apenas um ano o jogo Kim Kardashian: Hollywood ter faturado cerca de 100 milhões de euros. Leu bem, 100M€ que equivalem mais coisa menos coisa ao cachet de 5 filmes de atores no Top 5 de Hollywood.

Que esperava então do mobile gaming em 2016?Ora assente: naturalmente as irmãs de Kim, Kendall & Kylie Jenner mas também Nicki Minaj, Kate Perry, Britney Spears, Demi Lovato e até Jason Statham segue as pegadas de Schwarzenegger.

Alguém por aí com o número da Daniela Ruah ou do Joaquim de Almeida?

Share This