kamagra kaufen kamagra oral jelly kamagra australia kamagra australia cialis kopen levitra 20 mg viagra online bestellen cialis preise cialis original viagra bestellen levitra bayer kamagra shop kamagra oral jelly viagra generika levitra preis kamagra bestellen cialis 20mg cialis bestellen levitra pas cher kamagra prix acheter viagra viagra sans ordonnance cialis pas cher achat viagra kamagra 100 viagra prix kamagra pas cher kamagra 100 mg cialis sans ordonnance levitra sans ordonnance
Viagra Super Active Viagra Generisk Cialis Gel Generisk Levitra cialis pris Kamagra Gel Viagra Soft kamagra oral jelly cialis generisk viagra online viagra online Generisk Viagra Cialis Online Kvinnor Cialis Generisk Cialis Kvinnor Viagra Cialis Super Active Cialis soft viagra apoteket Kamagra Cialis Soft Viagra sverige Kamagra Online
Acquistare Cialis Strips Viagra Pastiglie Kamagra 100 Cialis online Levitra Generico Test pacchetti Propecia generico Acquistare Cialis Soft Tabs Viagra e generici Levitra Cialis Generico Lovegra Super Kamagra Viagra femminile LIDA Dai dai hua Cialis Pastiglie Acquistare Super Kamagra Cialis Generico Viagra online

Parece claro que se tivesse que tomar a posição na querela que alimenta “Eu sou um Mac ou PC” a minha posição seria clara. Nem sempre teria tomado o caminho Apple e, hoje em dia é certamente mais fácil fazê-lo. Como muitos portugueses cresci com o Windows e só a palmada na indústria da música que foi o iPod me levou a comprar produtos Apple. Relembro-me que então a Apple tinha uma posição muito segmentada no produto junto dos criativos gráficos com poderosos computadores que faziam jus ao nascimento da marca.

Hoje escreve-se que a Apple deixou de inovar. O iPhone 5S e C e lançamento do  iOS7 não tiveram o encanto dos lançamentos da era Jobs nem o envolvimento da media que hoje se limitam a seguir as ordens de Wall street. Para agravar ainda mais a questão o iOS7, de tão disruptivo que foi com o design anterior do sistema, criou o efeito amo-te/odeio-te nos consumidores. Desde o WWDC que o tinha instalado no meu iPhone 5. Agora tenho-o no iPhone 5S. Duas semanas depois de ter a última peça saída de Guangzhou com design californiano e de me ter resistido na luta de encontrar o modelo nos EUA que não já não me vejo sem usar o touch id. Eu que nem usava código no iPhone. Quero supor que o mesmo se aplica a todos os gimmicks usados nos Galaxy. Do air gesture ao smart pause. Vindo de Las Vegas de uma conferência que olhava o dinheiro em 2020 não pude deixar de ver, com alguma pena minha, a morte lenta a que se parece assistir no NFC. Eu que defendi aqui por várias vezes a tecnologia e lhe previ um futuro risonho questiono, como já muitos o fazem, se será esta a tecnologia que vai revolucionar os pagamentos. Há três anos que se afirma que “é este ano”.

Há três anos que se questiona a Apple por não incluir o chip NFC no iPhone. Factum est que em Vegas o que se falou sempre se mencionou como “o” caso de sucesso dos pagamentos móveis foi o do Starbucks. App mobile de pagamento, associado a cartão de crédito que lê depois o cartão de fidelização do cliente que foi carregado com dinheiro via o tal cartão de crédito. Algo longe de uma solução transversal como seria a utilização da tecnologia NFC. Desde o 4S que iPhone traz um chip de Bluetooth LE. Em Junho com o iOS7 foi-nos dado a conhecer os iBeacons. Uma forma de utilizar o Bluetooth 4.0 como forma de navegação e geofencing dentro de portas. Com mais de 500 milhões de contas iTunes e com 500 mil a serem criadas todos os dias o que vai impedir a Apple de abrir a torneira e tornar os ibeacons, o Bluetooth LE e o touch id de ser o método de pagamento que realmente vai pegar? Ahh, é verdade, a Google tem a fatia maior do share de Mercado. Acontece que o iBeacon é baseado em tecnologia aberta. Pegue nela se quiser. Acredite que não é um gimmick.

Share This