Serviço público

Há quem ainda olhe para o smartphone (e já agora tablets) e o veja como albergue de aplicações das redes sociais, de jogos, de messaging, fotografia e pouco mais.  Eu diria que essa visão redutora só pode, nos dias que correm, a de um segmento proprietários de smartphones que poderão ser definidos como não utilizadores e sobre a forma como determinados segmentos etários usam de facto estes equipamentos.

Verdade, verdadinha é que já não existe sector de actividade económica que não faça uso destas plataformas e, os últimos meses tem sido férteis em aplicações que aproximam o cidadão dos serviços e até do Estado.

Por ordem de chegada. Se tem carro e tem estacionar nas cidades o problema das moedas e de ter que se deslocar aos parquímetros há algum tempo que não existe. Sirvo-me em Lisboa do ePark da Emel e exceptuando ser graficamente fraquinha é de uma simplicidade extrema. Faz o que se propõe de forma eficaz e, em ultima instância é disso que preciso. Carrego com Paypal ou por Multibanco a minha conta, escolho local e horário, o tempo que desejo estacionar e basta fazer “iniciar” para o estacionamento ficar activo. O revisor há-de validar pela matrícula que o mesmo se encontra feito. E já que falei de Multibanco deixem-me lá voltar aos pagamentos móveis e à primeira aplicação portuguesa que pode de facto ajudar-nos nesta transição. Chama-se MB Way e é  primeira solução mundial que integra a lógica do serviço ATM com os pagamentos móveis. Vai conseguir já hoje pagar nas caixas self-service dos supermercados Jumbo e Pão de Açúcar e transferir dinheiro a outra pessoa inserindo apenas o número de telemóvel desta. Como tem a esmagadora maioria dos bancos a bordo do projeto é uma solução que tem tudo para se tornar mainstream. É essa também a ideia da SIBS que tenta desde já patentear a solução. O seu primeiro passo? Ative o serviço no Multibanco e escolha o PIN. Na transferência o conceito é simples. Os dois utilizadores tem o serviço subscrito e a aplicação. Insira o número do destinatário, valor e PIN e o dinheiro cai na conta desse pessoa. No supermercado o processo não fazendo uso do hardware como o faz o Pay da Apple, por exemplo, não será instantâneo mas ainda assim é um modelo muito interessante. Na máquina escolhe pagar com MB Way e insere o número de telemóvel associado. No seu telemóvel recebe na app informação de pagamento pendente, confirma com o seu PIN e de com a validação a máquina reconhece o pagamento e emite-lhe o recibo.

Para finalizar dê as boas vindas ao Mapa do Cidadão. Explore-a.  É um passo gigantesco na relação com as Lojas do Cidadão. Permite-lhe coisas tão úteis como saber perto de si onde renovar a carta de condução ou cartão de cidadão mas também saber quanto tempo de espera tem no serviço nesse preciso momento, quantos pessoas estão em espera ou o número da senha. Algo que pode e parece poder evoluir para os serviços de saúde.

Agora, olhe lá outra vez para o computador que chama telemóvel e diga-me se ainda só o vê como outra – a melhor – forma de checkar ao Facebook.

Share This